SAÚDE DO COURO CABELUDO- QUEDA DE CABELO

-SAÚDE DO COURO CABELUDO

-INTOLERÂNCIA AO GLÚTEN E QUEDA DE CABELO

-QUAL A RELAÇÃO ENTRE AMBOS

Por DRª ANAFLÁVIA OLIVEIRA

Oi Pessoal, estou de volta! E o tema que escolhi hoje foi de um texto meu que fez muito sucesso ano passado; foi o texto mais lido em alguns sites que escrevo. Falarei sobre a relação da intolerância ao glúten e doença celíaca com a queda capilar? Resolvi compartilhar meus conhecimentos sobre este tema com vocês, pois ainda existe muita confusão até mesmo entre os profissionais de saúde. Percebo frequentemente, que muitos não associam a doença celíaca às quedas capilares. Se você tem restrições quanto ao glúten, fique atento também à saúde de seu cabelo:

Está caindo? Perdeu volume dos cabelos? Seu fio de cabelo está afinando há algum tempo? Pode ser um sinal de que o glúten também está afetando seus cabelos.

As condições abaixo podem ocorrer com maior frequência em pacientes que já possuem problemas de saúde relacionados ao glúten do que na população normal:

  • EFLÚVIO TELÓGENO CRÔNICO (QUEDA DIFUSA DO CABELO): ISSO OCORRE POR DEFICIÊNCIA NA ABSORÇÃO DE DIVERSOS NUTRIENTES NO INTESTINO IMPORTANTES PARA A FASE DE CRESCIMENTO (FASE ANÁGENA) E DESENVOLVIMENTO (ESPESSAMENTO) DOS FIOS. OU SEJA, VOCÊ PODE TER UMA ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL E RICA EM NUTRIENTES, MAS CASO NÃO HAJA UMA ABSORÇÃO ADEQUADA NO INTESTINO, O NUTRIENTE NÃO CHEGARÁ ÀS CÉLULAS DO FOLÍCULO PILOSO O QUE ACABARÁ PREJUDICANDO TODO SEU SISTEMA METABÓLICO. O MECANISMO DESSA ALTERAÇÃO É PELO FATO DE QUE O GLÚTEN CAUSA UMA INFLAMAÇÃO CRÔNICA DA PAREDE INTESTINAL PROVOCANDO ALTERAÇÃO DA PERMEABILIDADE INTESTINAL E ASSIM PREJUDICA TODO O MECANISMO DE ABSORÇÃO.
  • ALOPECIA AREATA (POPULARMENTE CHAMADA DE PELADA; PLACAS DE ALOPECIAS NO COURO CABELUDO): DE ORIGEM AUTOIMUNE. NA POLULAÇÃO NORMAL, A INCIDÊNCIA É EM TORNO DE 0,7 A 1% E NOS CELÍACOS/INTOLERANTES SOBE PARA 3,8% DE CASOS DESSA ALOPECIA. HÁ POUCO TEMPO, FORAM PUBLICADAS MUITAS PESQUISAS ITALIANAS MOSTRANDO A RECENTE ASSOCIAÇÃO DA DC (DOENÇA CELÍACA/INTOLERÂNCIA) COM ALOPECIA AREATA. O MECANISMO DESSA ALTERAÇÃO É PELO FATO DA INFLAMAÇÃO CRÔNICA DA PAREDE INTESTINAL DE LONGA DATA CAUSAR “FALHAS” NA PAREDE DO INTESTINO, QUE ALÉM DE DIMINUIR A ABSORÇÃO DE NUTRIENTES TAMBÉM AUMENTA A PENETRAÇÃO DE SUBSTÂNCIAS TÓXICAS E ALÉRGICAS. O SISTEMA DE DEFESA É ATIVADO E INICIA A PRODUÇÃO DE COMPLEXOS ANTÍGENO-ANTICORPO QUE ATACAM ESTRUTURAS SAUDÁVEIS, COMO POR EXEMPLO O FOLÍCULO PILOSO, O QUE CAUSA ESSE TIPO DE ALOPECIA.
  • OUTRAS ALTERAÇÕES: DIARREIA COM FEZES FÉTIDAS, CLARAS, VOLUMOSAS, COM OU SEM GOTAS DE GORDURA OU PRISÃO DE VENTRE; EDEMA NAS PERNAS, ANEMIA, DIMINUIÇÃO DA FERTILIDADE, SINAIS DE DESNUTRIÇÃO, FLATULÊNCIA, IRRITABILIDADE, DISTENSÃO ABDOMINAL, DOR ABDOMINAL, OSTEOPOROSE E OUTRAS ALTERAÇÕES DERMATOLÓGICAS DE PELE E MUCOSAS (DERMATITE HERPETIFORME, URTICÁRIA CRÔNICA, ANGIOEDEMA HEREDITÁRIO, VASCULITES, DERMATITE ATÓPICA, PSORÍASE, DOENÇA DE BEHCET, LÍQUEN PLANO, LÚPUS ERITEMATOSO, DERMATOMIOSITE, DOENÇAS BOLHOSAS, ERITEMA NODOSO, ERITEMA ELEVATUM DIUTINUM).

Os sinais e sintomas podem iniciar na infância ou já na fase adulta. Além disso, têm intensidades muito variáveis, podendo ser graves em alguns pacientes e quadros muito leves em outros sendo que, neste último caso, as pessoas geralmente ignoram os sinais e sintomas, relatando “ah, isso é normal” ou “sou assim mesmo, sempre tive isso”. Muitos apresentam a doença e não sabem e por isso, o diagnóstico torna-se mais difícil.

A doença celíaca (DC) que há poucos anos achava-se ser rara, grave em seus sintomas e com acometimento basicamente em crianças, mostrou nos estudos das últimas décadas ser uma doença relativamente comum, atingindo cerca de 1 a 2% da população. Então, se você tem mais de 2 desses sintomas, mesmo que leves, minha orientação é que procure um médico para que este inicie a investigação. O diagnóstico não é fácil, e muitas vezes faz-se necessária a prova terapêutica. As orientações após o diagnóstico não são simples e deve haver um acompanhamento com o médico e nutricionista, em conjunto.

Veja a matéria completa para entender melhor clique aqui 

Compartilhe este post nas redes sociais:

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on pinterest
Pinterest
Share on linkedin
LinkedIn

Posts mais recentes

Open chat
Fale Conosco!